HISTÓRIA
          A casa sede da Fundação Sidónio Muralha está repleta de valor sentimental e cultural. Situada na rua Desembargador Westphalen, 1014, no bairro Rebouças, Curitiba, Paraná, a casa foi reconhecida pela Prefeitura de Curitiba como patrimônio histórico da cidade em 2002. O processo de tombamento da casa como patrimônio cultural foi elaborado pelo Professor Key Imaguire Junior, especialista na área de Arquitetura e Urbanismo, história do Paraná e docente na UFPR e PUCPR. O projeto e a construção da casa são da década de 1920.Ela Conserva a estrutura original com algumas adaptações ao longo do tempo. A casa é ladeada de lambrequins, detalhe arquitetônico original e típico daquele período. Como “casa antiga” ou “casa da vó”, seu complemento é o jardim, um oásis verde no meio da selva de pedra em pleno centro da capital. Ele foi carinhosamente nomeado por um visitante como o “Jardim dos Sentidos”, e reconhecido por todos que têm oportunidade de experienciar a grama, as rosas e outras flores, os xaxins, os pássaros, as borboletas e outras tantas maravilhas da natureza. A casa foi comprada pelo Prof. Guilherme Butler, emigrante da Letônia, que veio afixar residência em Curitiba, na década de 1920. À época, o endereço da casa era Rua Ratcliff, 110. Eram tempos tranquilos nesta capital. As crianças podiam brincar livremente na rua, e as garrafas de leite vazias aguardavam nas soleiras a passagem do leiteiro, de madrugada. 
Nela nasceu Helen Anne Butler, em 17 de janeiro de 1931. O sótão era seu quarto e o jardim seu mundo. Por volta dos anos 1970, após o falecimento do pai, Helen e sua mãe mudaram-se para um apartamento, deixando a casa sem uso. Embora o pai houvesse sugerido a venda da casa, o seu uso foi cedido para abrigar a sede do Elos Clube de Curitiba, instituição voltada para a difusão da cultura portuguesa. Para desenvolver suas atividades, o Elos Club fez alterações na estrutura da casa, retirando as divisórias internas, criando o salão que veio a ser palco para diferentes atividades educativas e culturais.

A Casa

O projeto e a construção da casa são da década de 1920.Ela Conserva a estrutura original.

A Casa

A casa é ladeada de lambrequins, detalhe arquitetônico original e típico daquele período.

A Casa

Como “casa antiga” ou “casa da vó”, seu complemento é o jardim, um oásis verde.

A criação da Fundação Sidónio Muralha, em 1988, tinha um endereço certo: a Casa Guilherme Butler.A casa passou a ser um centro de memória, de administração edas atividades culturais e educacionais da Fundação. A partir do no ano de 1996, a casa se tornou também sede do Centro Paranaense de Filosofia para Crianças – Educação para o Pensar, instituição sob direção do Prof. Darcísio Natal Muraro. O objetivo desta instituição, que hoje se chama IFEP- Instituto de Filosofia e Educação para o Pensar é a formação de professores para o Ensino de Filosofia na Educação Básica. No período de 2009 a 2016, como atividade da Fundação Sidónio Muralha, a casa foi sede do Ponto de Cultura “Passagens Literárias”. Esse projeto que teve parceria com o Ministério da Cultura e Fundação Cultural de Curitiba, foi concebido e coordenado pela contadora de histórias e professora Priscila Angélica Santos Sehnem.
A casa é acima de tudo um mundo de memórias, pessoas, encantamentos.Como sabiamente intuiu o poeta, a casa merecia ser homenageada com um poema: "Esta casa, não é uma casa, nascida no Sul, ela é uma asa, voando no azul". Assim, ela é a “casa dos poetas e da poesia”.Ela permite alçar voos para um passado de memórias que significam o presente com acolhimento, imaginação e alegria, forças para voos no futuro.